top of page

A dança hormonal do ciclo ovulatório

O primeiro passo para a prática da percepção da fertilidade é entender o que acontece a cada ciclo no corpo, então vamos lá...


 

O ciclo menstrual gira em torno da ovulação e não da menstruação, como passa a ideia a nomenclatura “ciclo menstrual”. A menstruação é uma consequência da ocorrência de uma série de eventos que culminou no evento principal “ovulação”.


A Fase Folicular

Tudo tem início no nosso cérebro, pela liberação do hormônio folículo estimulante (FSH) pela hipófise. A hipófise está conectada diretamente ao hipotálamo, proporcionando um elo entre o cérebro e o sistema endócrino. O FSH estimula os folículos dos óvulos a se desenvolverem.


Os folículos em crescimento produzem e liberam quantidades progressivamente maiores de estrogênio que, por sua vez, promove o espessamento do endométrio (camada mais interna do útero) e a o aumento da secreção de muco cervical (produzido no colo du útero) tipicamente estrogênico. Um dos folículos em crescimento se tornará dominante e crescerá mais do que os demais, que “ficam para trás”. A presença do estrogênio em alta interrompe a produção de FSH, enquanto o folículo dominante continua a crescer e a liberar estrogênio.


Quando o estrogênio atinge níveis de pico, há uma sinalização para o cérebro produzir o hormônio luteinizante (LH). É o LH que ao atingir seu pico, aciona a ruptura do folículo que envolve o óvulo, liberando-o, promovendo o que chamamos de ovulação. O folículo rompido é denominado corpo lúteo.


A Fase Lútea

O corpo lúteo é uma glândula transitória que produz progesterona durante todo o tempo até o final do ciclo. A essa fase do ciclo é dado o nome de fase lútea (em referência ao corpo lúteo) que é a fase de duração mais estável do ciclo. No útero a progesterona atua manutendo a estabilidade do endométrio. No final da fase lútea os níveis hormonais começam a cair, até atingirem valores tão baixos que não conseguem mais manter a estabilidade do endométrio, ocorrendo então a mesntruação e o início de um novo ciclo.


Nesse gráfico vocês podem ver como essa dança hormonal acontece em relação à atividade do folículo e do corpo lúteo.


A ocorrência da ovulação indica que cada um desses hormônios, em sequência, atingiu seus níveis saudáveis e possibilitou que a etapa seguinte fosse acionada.


Você sabiam de tudo isso? Compreender o ciclo ovulatório e aprende a interpretá-lo por meio dos biomarcadores, além de possibilitar alcançar ou evitar uma gestação, permite ter informações importantes sobre a saúde reprodutiva e geral.

Além disso, você consegue elaborar melhor o seu autocuidado e também dialogar com profissionais de saúde de um lugar de consciência e entendimento sobre o seu corpo, se tornando protagonista nas decisões de intervenção diante de eventuais desequilíbrios.

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page